Return to site

COLUNA DA VIVI VIEIRA: O que você vai ser quando crescer?

Texto 6

Dias atrás, fizeram uma pergunta ao meu filho, que tem quase 4 anos: O que você vai ser quando crescer? Ele ficou me olhando meio perdido, sem saber o que responder, e a pessoa, tentando ajudá-lo, insistia fazendo referências à profissão de seu avô e de seu pai.

Aquela pergunta ficou rondando a minha cabeça e iniciei uma reflexão para sanar o que, de fato, estava me incomodando. Eu mesma já fiz essa pergunta diversas vezes quando lecionava na Educação Infantil, principalmente quando trabalhava temas como família e identidade.

Buscando sanar o incômodo, comecei tentando descobrir o que significava ser no dicionário e, para minha surpresa, apareceram 22 significados. Selecionei alguns que achei interessantes: “1. Ter como característica ou propriedade de si mesmo / 2. Ter ou estar em certa condição, situação permanente ou temporária. / 3. Ter existência ou presença, constituindo um grupo. / 4 Fazer parte de. / 5. Ter consciência de si mesmo”.

Ao ler os significados dessa palavra, lembrei-me que, na Filosofia, a palavra ser não é considerada apenas verbo, é também um substantivo. Platão, por exemplo, acreditava que o ser é o poder de existir.

Olhando para meu filho agora, conhecendo seu dia a dia, já percebo um grande ser. Ele já tem preferências de sabores, de ritmos musicais, de brincadeiras e de vestuário. Já exprime sua personalidade em seus desenhos e desejos, já o vejo como um ser, ele já existe!
Ele não quer ser ele já é!

Parece que a pergunta O que você quer ser quando crescer? desconsidera o ser no agora, esse ser que existe. Dá a sensação de que ele só será alguém a partir do dia em que escolher uma profissão que vai determinar um caminhar pelo resto de sua vida.

Não somos o que escolhemos por profissão. Há muitas pessoas que nem escolhem suas profissões, uma necessidade da vida que as levou a traçarem aquele caminho. Somos o que desejamos, buscamos e sonhamos.

O Referencial Curricular Nacional para Educação Infantil afirma que a identidade é uma marca de diferença entre as pessoas, a começar pelo nome, seguido de todas as características físicas, de modos de agir, de pensar e da história pessoal.

Quando estamos desenvolvendo um trabalho sobre identidade com nossas crianças, estamos ajudando-as a perceber esse ser que existe, por meio do estabelecimento de relações com tudo que as cercam. Entrar em contato com as profissões só abre uma pequena janela para que a criança conheça algumas possibilidades de vivência, e não de vida. Além disso, nosso trabalho é ajudá-las a perceberem seus sentimentos, sonhos, personalidade e sua história.

Depois de dissipar a nuvem do meu incômodo, refiz a pergunta ao meu filho. O que você quer fazer quando for grande? Para minha alegria, a resposta foi: Eu quero dirigir um caminhão de bombeiro e ir pra casa da minha vovó sozinho. Uma resposta relacionada ao sonho e ao seu desejo, tudo o que move um ser presente e que está crescendo.

(Eu sou a Vivi Vieira, mãe e professora. Pedagoga e psicopedagoga, formada pela Universidade do Vale do Paraíba / Univap. Atualmente, sou coordenadora pedagógica da Espiral Escola Viva. Trabalho também como formadora de professores, coordenadores e diretores pelo Brasil.)

Referência:

MINIDICIONÁRIO HOUAISS DA LÍNGUA PORTUGUESA. 3. ed. Rio de Janeiro: Editora Objetiva, 2008, p. 683.

All Posts
×

Almost done…

We just sent you an email. Please click the link in the email to confirm your subscription!

OKSubscriptions powered by Strikingly